Google+ Followers

quarta-feira, 6 de novembro de 2013

beijo partido


Olá, queridos!

Cartas de hoje, dia de Mercúrio, na 2ª hora de Júpiter: A Cegonha (Rainha de Copas) + as cartas de corte: Os Pássaros (7 de Ouros) e O Anel (Ás de Paus). A carta da cegonha rege o signo de Áries, exatamente onde temos Urano em trânsito, o planeta irreverente que muda as coisas sem aviso. A Cegonha representa novidades, surpresas, mudanças repentinas e para melhor. A carta dos pássaros é regida por Urano, o planeta irreverente que nos traz as coisas de surpresa, e representa romance, alegrias, conversas entre pessoas queridas, leveza, noção de pertencimento. A carta do anel, novamente por aqui e na mesma posição da tiragem de ontem, rege o signo de Touro, 1º domicílio de Vênus, e representa as nossas parcerias amorosas e sociedades.

Aspectos do Céu:
No céu do dia temos a Lua nova nos últimos graus de Sagitário e fora de curso (sem aspectos). Mais tarde, por volta das oito da noite, ela entra em Capricórnio e faz conjunção com Vênus. Vênus em Capricórnio faz bisextil com Mercúrio retrógrado em Escorpião e com Netuno retrógrado em Peixes. Plutão capricorniano quadra Urano retrógrado em Áries e faz bisextil com Marte em Virgem e com Sol e Saturno conjuntos em Escorpião. Lilith em Câncer também se envolve em bisextil com Marte em Virgem e com Sol e Saturno escorpianos. Júpiter em Câncer faz trígono a Sol e Saturno escorpianos. Meio do Céu em Capricórnio e Ascendente em Touro na hora da tiragem das cartas.

Conselho do Dia:
Em dia de lua fora de curso, por mais que a que a gente se programe direitinho os imprevistos sempre estarão nos rondando, ainda mais em dia de regência de Mercúrio, estando ele em marcha a ré e com quadratura de Urano e Plutão no mesmo grau. Tudo isso justamente no dia em que Sol e Saturno também passaram por conjunção exata, nos pedindo mais responsabilidade e pé no chão. Um belo paradoxo a nos testar a paciência e disciplina. Essas contradições podem ter mexido com muita gente hoje, causando uma sensação de incapacidade para lidar com as exigências do dia ou demandando um esforço bem maior em todas as atividades racionais. Em momentos assim, o melhor a fazer é deixar-se levar em vez de brigar com o desejo do astral, e reservar pequenas pausas para desanuviar ou aproveitar os minutos de espera, como por exemplo quando estamos presos numa fila qualquer, para se desconectar mentalmente da agitação ao redor. Gratas surpresas podem nos visitar quando nos desligamos da turbulência habitual alimentada pela multidão impaciente e disposta a praguejar o tempo todo por coisas pequenas, comportamento que alivia em nada o fluxo, mas antes trata de emperrá-lo ainda mais. Mas para quem consegue se manter sereno em meio ao alvoroço, outros canais são ampliados. E um deles me encantou hoje, trazendo de presente uma cena que pareceu parar o mundo por alguns longos segundos: um beija-flor beijou uma moça bem na minha frente, paradinho encarando o rosto dela por uma fração de tempo mínima que pareceu nunca terminar. A moça virou estátua, acho que nem respirou enquanto durou o affair. Eu, praticamente encostada à ela, não consegui segurar as lágrimas. Ele se foi, nós duas sorrimos num agradecimento cúmplice, ela também com os olhos cheios d'água. Quase mais ninguém reparou. Quem reparou nada disse. E o mundo prosseguiu apressado. São momentos assim, pelo menos para mim e tenho certeza que para a moça beijada também, que fazem tudo valer a pena de repente. Uma declaração de amor em meio ao caos, um recado soprado da conexão com algo maior, divino. Talvez já fosse uma pequena antecipação do astral da noite, quando a lua chega em Capricórnio e se enlaça com Vênus em poderosos aspectos com Mercúrio e Netuno, quem sabe trazendo um clima de romance para sossegar o desfecho desse dia arredio. A mim já valeu o espetáculo, me encheu de gratidão!

As cartas nos trazem o Anel novamente, e na mesma posição de ontem, hoje entre os Pássaros e a Cegonha, que chega em destaque. A noite sugere conversações que tragam renovação de compromissos, com gratas transformações emocionais.

E a lindíssima canção de hoje vai para a cena do beija-flor. De Toninho Horta, por Milton Nascimento: Beijo Partido.

Gratidão!
_/\_

Texto: Lilian Guedes
Baralho: Mystical Lenormand

4 comentários: