Google+ Followers

domingo, 6 de abril de 2014

cape horn


Olá, queridos!

Como vão vocês? Estive bastante sumida, porque a vida acelerou à minha volta, com tanta coisa acontecendo ao mesmo tempo que me provocou exatamente o movimento contrário, o silêncio. Economia nas palavras e vontade nenhuma de escrever. A correria externa me calou e me jogou numa postura de aguçada observação. Ao mesmo tempo, uma sensação de plenitude me invadiu, a taça cheia que agora começa a pedir para derramar, devagar, até para liberar espaço para caber mais. Tudo acontece muito rapidamente e a intuição chega a assustar, bem sintonizada, é só pensar e pluft, acontece. A gratidão é uma coisa realmente maravilhosa. Eu já sabia, mas quanto mais me afino com ela, mais recados encantados me chegam, trazendo junto a chance de agradecer mais e mais. Chorei muito também, derramei. Cortei os cabelos, muitos dedos dele. Meu corpo pedindo pra falar, contar um pouco da imensa transformação interna, exatamente sob a falante lua em Gêmeos, que me deixou ainda mais calada, mas os cabelos ganharam um divertido movimento, quiseram falar por mim, obedeci. Plutão não brinca em serviço, e ele está bem em cima do meu Sol natal, no mesmo grau, fazendo trígono com o meu Plutão natal também, como se já não bastasse o puxa-estica do céu em que está envolvido, com Urano e Júpiter. Mas no meio disso tudo, até axé de borboleta ganhei, no meio da rua o presente encantante! Acho que sim, estou no caminho certo, desenhado e sonhado para mim e guardado no baú dos tesouros que começam enfim a se revelar com Plutão no comando. Gratidão outra vez. Compartilho dessas coisas tão íntimas com vocês porque sei que não sou só eu que estou passando por profundas transformações. O céu está para todos e por certo alguns de vocês encontram sintonia nestas confissões. Creiam, por mais que a tormenta nos deixe confusos, vale cada lágrima derramada, cada momento de incerteza vivido, cada pedacinho de iluminação conquistada, ainda que fugidia por enquanto. O quebra-cabeças está em processo, estamos quase lá.

Cartas de hoje, dia do Sol, na 2ª hora da Lua: O Coração (Príncipe de Copas) + as cartas de corte: A Cigana (Ás de Espadas) e A Chave (8 de Ouros). A carta do coração rege a casa VII, casa de Libra, 2º domicílio de Vênus, esfera dos nossos relacionamentos íntimos e parcerias, e representa envolvimento emocional, amor e paixão. Marte, o guerreiro planeta da ação transita atualmente neste território, o signo de Libra. O Nodo Norte também. A carta da cigana é regida por Vênus e representa a mim e a todas as mulheres que frequentam o Salamalek Tarot, bem como a mulher mais importante da vida dos homens que passam por aqui. Também temos aí a maneira de nos relacionar representada, já que a carta tem regência de Vênus. A carta da chave é regida pelo Sol e nos diz que temos a solução, a senha para abrir os caminhos está em nossas mãos. Ela nos traz ainda esclarecimentos, revelações.

Aspectos do Céu:
No céu do dia temos a lua nova em Câncer em conjunção exata com Júpiter, em trígono com Netuno e Vênus conjuntos em Peixes e na quadratura em T com Urano e Sol conjuntos em Áries e Plutão em Capricórnio. Às 20h54 a lua inicia mais uma quadratura, com Marte R. De madrugada, às 02h12, a lua inicia um trígono com Saturno R. E é assim que ela atinge a fase crescente, às 05h32. Sol em Áries se opõe a Marte R em Libra. Mercúrio em Peixes está sem aspectos até às 18h31, quando inicia trígono com Lilith em Leão, até então também sem aspectos. Vênus em Peixes já inicia conjunção com Netuno e faz trígono com Nodo Norte em Libra. Saturno R em Escorpião está sem aspectos. Meio do Céu em Gêmeos e Ascendente em Virgem na hora da tiragem das cartas.

Conselho do Dia:
A lua nova quase crescente em Câncer faz conjunção exata com Júpiter, se harmoniza com Netuno e pega carona na poderosa e complicada quadratura de gigantes, com Urano, Júpiter e Plutão. O abraço de Júpiter faz tudo parecer muito maior do que realmente é. As emoções já exaltadas pelo domicílio natural da lua ganham volume máximo e acionam em nós o gatilho da saudade até do que a gente nem sabe muito bem o que é. Pois é, o dia é de trabalho interior e os porões estão lotados de serviço. Pode pintar insatisfação e desânimo se não houver via de escape para tanto sentimento. A melhor escolha hoje, para quem pode fazê-la evidentemente, é o acolhimento familiar. Reunir os queridos e se ocupar de nutrí-los com comidinhas, carinhos, conversas e lembranças pode se revelar uma eficiente ferramenta de resgate e de cura para todos os envolvidos, especialmente se cada um tiver a chance de colaborar com alguma coisa para o contentamento de todos. Quando nos ocupamos do cuidado amoroso com aqueles que nos são caros, estamos distribuindo prazer que também contagia a nós mesmos, como as mãos de quem distribui flores, sempre perfumadas. Para combinar com esse quadro de doação balsâmica, Vênus mudou ontem de endereço, saiu da vibe descolada de Aquário e mergulhou nos mares piscianos, direto para os braços de Netuno. A bela encontra a sua exaltação e é recebida com honras, pelo próprio dono da casa. O amor eleva-se, encanta-se, transforma-se em incondicional, compassivo. As marés nos invadem e ficamos todos mais românticos, inspirados, místicos, misteriosos. Naturalmente nos doamos mais, o que inclusive pode gerar certas confusões também, despertando emoções equivocadas onde há excesso de carência. As ilusões estão em alta. Tudo que nos eleva, que nos envolve de encantamento também. Sopro divino que exalta a poesia, a música, a dança, o cinema, a cena e também quem encena. Aberta a temporada do canto da sereia e dos pobres pescadores enrabichados por ela. Afinal, Mercúrio também está em Peixes, ainda. Mergulhamos todos nesse amor intenso. E que saibamos todos também que dentro d'água nem tudo corresponde à realidade, os enganos vêm de brinde. Mas os sonhos são dourados, o amor é universal e a fé se esparrama em milhões de possibilidades para quem está na busca. É de lá que viemos, das águas, da imensidão ilimitada das emoções. É lá, entre tsunamis e calmarias, que resgatamos a porção mais preciosa de nós, alma.

As cartas nos trazem novamente o Coração em destaque, com influência da Cigana e da Chave. Que beleza de sintonia com a Vênus pisciana, com a chave nas mãos para a abertura suprema do amor. Quanto mais amor doarmos, mais amor receberemos. Esta inclusive é a senha para atravessar as dificuldades postas pelo céu. Aproveitem!

Hoje vamos de Toninho Horta e Arismar do Espírito Santo, com a magnífica Cape Horn.

Gratidão!
_/\_

Texto: Lilian Guedes
Baralho: Judith Bartschi Lenormand

Nenhum comentário:

Postar um comentário